A Lista Vermelha de Ecossistemas no Brasil

Desde junho de 2012, o Brasil está em processo de implantação da Lista Vermelha de Ecossistemas, ferramenta utilizada no mundo todo para avaliar o estado de conservação dos ambientes naturais. A UICN Brasil, juntamente com Provita-Venezula, Comissão Mundial de Manejo de Ecossistemas (CEM) da UICN e instituições parceiras, realizou nos dias 26, 27 e 28 de setembro uma oficina para a aplicação da metodologia em ecossistemas no Brasil

Tangara

A oficina contou com a vinda de Maria A. Oliveira Miranda (Provita/UICN Venezuela) que coordenou o evento e compartilhou toda a sua experiência com a utilização da metodologia em diversos países do mundo. O encontro integra uma série de reuniões e oficinas de capacitação de instituições brasileiras que discutem o desenvolvimento de uma estratégia para viabilizar a aplicação nacional da metodologia considerando a realidade dos biomas brasileiros, a disponibilidade de informação e as capacidades institucionais instaladas.


O projeto de implementação da Lista Vermelha de Ecossistemas, inicialmente financiado pela Embaixada do Reino dos Países Baixos no Brasil, teve início com a mobilização de um grupo de instituições interessadas em aplicar esta metodologia e possivelmente instituí-la para tomadas decisão em prol da proteção dos ambientes naturais brasileiros, como a definição de áreas prioritárias para a conservação. Criou-se, então, um grupo de trabalho formado por representantes dos setores públicos, academia, organizações civis e iniciativa privada com o objetivo de discutir uma estretégia de aplicação da metodologia e conduzir projetos piloto. Estes pilotos servirão de experiência base para a produção da lista a nível nacional e representam as realidades de diferentes regiões do país: Bahia (WWF-¬‐Brasil); Minas Gerais (Fundação Biodiversitas); São Paulo (SEMA/SP); Pantanal (CPP); Bacia do Tapajós (The Nature Conservancy-TNC).

Nos dias 26, 27 e 28 de setembro, realizou-se em Brasília uma oficina de capacitação e trabalho orientada por Maria A. Oliveira Miranda – Provita/UICN Venezuela. Esta reunião teve como principal objetivo a aplicação dos critérios de avaliação do estado de conservação dos ecossistemas a partir dos dados previamente compilados para cada um dos projetos piloto. Maria A. Oliveira Miranda trouxe exemplos da aplicação da metodologia em diferentes regiões do mundo e explicou que muitos países, mesmo com baixíssima disponibilidade de dados, tiveram êxito na aplicação da ferramenta e podem hoje utilizar os resultados do processo para o estabelecimento de prioridades de ação. Ao final do evento, ficou evidente que, apesar do pouco tempo disponível, as iniciativas piloto tinham material suficiente para conduzir a avaliação do risco de extinção dos ecossistemas selecionados.

Com este exercício conduzido no âmbito dos projetos piloto, será possível sistematizar as dúvidas, dificuldades e lições aprendidas em uma publicação técnica que propague uma mensagem positiva. Segundo Luiz Merico, esta publicação proporcionará incentivo à aplicação da metodologia em âmbito nacional, com o objetivo de dar suporte ao processo de identificação de alvos de conservação e de desenvolvimento de políticas públicas.
 

Location: 
South America
Brazil
Go to top